fbpx

“Ah, é Edmundo! Ah, é chocolate! Ah, é finalista!”

Olá a todos, chegamos já na terceira edição do Jogos “Inenarráveis” e hoje iremos tratar de um lendário clássico entre dois dos maiores times cariocas e do Brasil. Hoje iremos detalhar um jogo histórico entre Flamengo e Vasco da Gama que aconteceu no Campeonato Brasileiro de 1997, na segunda fase daquele Brasileirão que ainda vivia as glórias do mata-mata.

REGULAMENTO DAQUELA EDIÇÃO DO BRASILEIRÃO

Inicialmente, o Brasileirão de 1997 era para ter 24 times, mas por conta do “Caso Ivens Mendes”, houve uma virada de mesa e Bragantino e Fluminense, que eram para ter sido rebaixados para a segunda divisão do Brasileirão de 1997 por terem sido as duas piores colocadas o Campeonato Brasileiro de 1996, se manteram na elite nacional. O “Caso Ivens Mendes” foi um caso de corrupção nunca esclarecido por completo. Este caso era um esquema de corrupção dentro da CBF que consistia em vender resultados de partidas de futebol para financiar a campanha a deputado federal de Ivens Mendes, que era o presidente da Comissão Nacional de Arbitragem de Futebol na altura, do órgão responsável por escalar os árbitros para as partidas.

Sem mais delongas, aquele Brasileirão consistia em 26 times que jogariam todos um contra o outro em turno único: os oito melhores colocados iriam para a segunda fase e os quatro piores eram rebaixados para a segunda divisão. Os oito melhores primeiros colocados nesta primeira fase, iriam para a segunda fase, a fase de grupos, seriam divididos em dois grupos com quatro times cada. Nesta segunda fase, cada equipe iria jogar em turno e returno contra todas as outras equipes da mesma chave e o primeiro colocado de cada grupo iria realizar a grande final do Campeonato Brasileiro de 1997, sendo que a equipe que chegasse a finalíssima e tivesse a melhor campanha geral, teria a vantagem de decidir o segundo jogo da final em casa, além da vantagem do empate na soma dos resultados.

O primeiro, quarto, quinto e oitavo colocado da primeira fase iriam para o “grupo A” da segunda fase. Os demais times, iriam para o “grupo B”.

CAMINHADA DOS DOIS TIMES ATÉ O JOGO

Na primeira fase, o Vasco da Gama ficou em primeiro lugar geral, somando 54 pontos em 25 jogos, com 17 vitórias, três empates e cinco derrotas, já o Flamengo terminou em quinto lugar na primeira fase, somando 42 pontos, com doze vitórias, seis empates e sete derrotas. Flamengo e Vasco já haviam se enfrentado duas vezes neste Brasileirão, sendo que na primeira fase o Vasco havia ganho do Flamengo por 1×0 e na partida do turno da segunda fase, havia terminado empatado em um gol.

No grupo A, o qual estavam Vasco da Gama e Flamengo, também estavam Juventude e Portuguesa. O rubro-negro e o cruzmaltino eram as duas únicas equipes com chances de terminar em primeiro lugar no grupo e chegarem a grande final, Juventude e lusa já estavam eliminados. O Vasco da Gama estava na liderança do grupo com dez pontos, precisando de apenas uma vitória para se garantir na grande final do Campeonato Brasileiro de 1997 com uma rodada de antecedência, já o Flamengo tinha sete pontos e precisava vencer para empatar com o Vasco no número de pontos e levar a decisão para a última rodada. Um empate não garantia matematicamente o cruzmaltino na final, mas deixava-o bem próximo.

O Vasco era o grande favorito por inúmeros motivos a ganhar o jogo, a começar pela grande campanha que estava a fazer e também porque o Flamengo não sabia o que era vencer os rivais vascaínos em um Campeonato Brasileiro pra lá de cinco edições.

O JOGO

Apita o árbitro Paulo César de Oliveira, mexe na bola o time do Flamengo, começou o jogo no Maracanã. Flamengo, que precisava da vitória, vai com tudo para cima, a primeira chance é pela direita do Vasco, em que um cruzamento rasteiro assusta os vascaínos, mas Alex Pinho acaba cortando. Agora é a vez do Vasco, que puxa pelo lado esquerdo do Flamengo, Evair vem com a bola e Júnior Baiano na marcação, Evair cruza curto, Bruno Quadros corta, mas a sobra ainda é do Vasco com Edmundo, que passou para Juninho e se mandou para a área, Juninho enfia a bola para Edmundo, que passou pelo goleiro Clemer, mas perdeu ângulo; ainda era o Vasco chegando com perigo, a bola é passada para Ramon que buscou o ângulo para o chute, mas a defesa flamenguista não deixou, voltou para Nasa, que na hora do chute escorregou e acabou com o lance de perigo.

E vem o Flamengo com Iranildo buscando a jogada, partindo para cima da marcação, agora a jogada é pelo lado esquerdo do Vasco, girou para Lúcio, que é desarmado, mas a bola sobra para Leandro Silva que cruza com perigo, só que Mauro Galvão afasta. No escanteio, cruzamento para área, mas Carlos Germano agarra. É lá e cá, agora o Vasco vem com Edmundo, passando pela defesa do Flamengo, mas deixa a bola correr demais e perde o ângulo para chutar, ainda que insistindo.

Edmundo driblando Clemer e colocando a bola para dentro. Era o primeiro gol.

Edmundo driblando Clemer e colocando a bola para dentro. Era o primeiro gol.

São 16 minutos do primeiro tempo, após uma saída atrapalhada e truncada que deu certo, César Prates passou para Edmundo, que logo tabelou com Evair e fez uma magistral arrancada, envolvendo toda a defesa do Flamengo. Edmundo saiu na cara de Clemer, ele driblou o goleiro rubro-negro e logo em seguida arrematou para o gol, um belo gol oriundo de uma tabela mortal. O Vasco abria o placar no Maracanã sobre o Flamengo, era a classificação para a final chegando, e a torcida gritava “ah, é Edmundo!”.

A marcação era dura para os dois lados, pouco depois do gol, Nelson comete dura falta em Sávio e é expulso. Com um jogador a mais e precisando vencer, o Flamengo vai ainda mais para o ataque. O rubro-negro vai pelas jogadas áreas, mas nada surge efeito. É mais um escanteio para o Flamengo, Leandro Silva na cobrança, bateu rasteiro para Juan livre chutar, mas Carlos Germano fez uma grande defesa no lance, a bola volta para Leandro realizar outro cruzamento, Sávio toca de cabeça e sobra para Lúcio chutar ao lado.

E só dá Flamengo vindo ao ataque precisando do gol, mais uma vez pelo lado direito da defesa vascaína, Leandro Silva vê Sávio passando na área e joga para o companheiro, que não alcança, mas a bola passa para todo mundo e Iranildo tira de Carlos Germano da jogada e deixa para Athirson, sem goleiro, empatar o jogo… ou não, Athirson conseguiu perder o gol, chutou por cima, inacreditável. Este foi o último lance de perigo do Flamengo no primeiro tempo, que terminou 1×0 para o Vasco da Gama.

O técnico Paulo Autuori saca o lateral esquerdo Bruno Quadros e põe o atacante Renato Gaúcho para colocar o time ainda mais para frente. O Flamengo insistia nas jogadas áreas. É escanteio para o rubro-negro, cruzamento na cabeça de Júnior Baiano e Renato mete o pé na bola para desviá-la, mas a bola teima em não entrar, bate no travessão e dá rebote, a sobra é de Júnior Baiano que chega metendo o pé, mas Mauro Galvão é ágil e corta. O Flamengo vem de novo, Athirson cruza na área, na cabeça de Lúcio, que joga muito perto da trave de Carlos Germano.

Tiro de meta para o Vasco, Germano cobra pra frente, Júnior Baiano corta de cabeça dividindo e se enroscando todo com o Edmundo. A bola sobrou para Nasa, que foi limpar Athirson com um longo chapéu, mas o rubro-negro deixou a perna nele. Nasa colocou a bola no lugar da falta e com todos pensando que ali sairia uma jogada, Nasa viu Edmundo basicamente sozinho, jogou a bola para ele, nas costas de Júnior Baiano. Edmundo saiu livre, limpou Clemer da jogada, que saiu catando borboletas, não achou nada, e Edmundo completou fazendo o segundo gol do Vasco no jogo. Quando o Flamengo era só pressão, o mengão sofreu um contra-ataque e levou mais um gol.

20170125_lamina_escuela_de_porteros (1)

E é o segundo gol do Vasco da Gama, o segundo de Edmundo.

E é o segundo gol do Vasco da Gama, o segundo de Edmundo.

O Flamengo segue ainda mais pra frente, insistindo nas bolas aéreas, mas parecia não ter efeito, até chegou perto com Lúcio, mas nada do gol. Em mais um contra-ataque de uma jogada envolvente, a próxima chance de perigo era do Vasco, aonde Edmundo saiu livre, ele e Clemer, bateu no canto, mas o goleiro do Flamengo salvou e jogou para escanteio. O Flamengo seguia tentando por bolas áreas, e o Vasco sempre vinha com perigo nos contra-ataques, até porque Edmundo era muito mal marcado no geral. É mais um contra-ataque do Vasco, Maricá faz uma bela arrancada pelo lado-direito, passa para Edmundo, livre, mas Clemer sai do gol e afasta a bola antes que ela chegasse no animal.

O Flamengo insistia, tentava a jogada, mas o Vasco estava muito bem atrás, bem postado na defesa, o jeito foi arriscar de longe, Lê o fez e Carlos Germano jogou para mais um escanteio para o Flamengo. Bola na área, Lúcio cabeceia forte para mais uma grande defesa de Germano. Já era 31 do segundo tempo, o Vasco saiu no contra-ataque com uma defesa mal postada do Flamengo em campo, César Prates saiu livre, Clemer saiu do gol, o jogador vascaíno tentou encobrir o goleiro do mengão, sem sucesso, Clemer defendeu. O Vasco tinha um jogador a menos, mas com velocidade e precisão sempre chegava com muito perigo.

A torcida do Flamengo se desentende entre si no desespero de perder para o rival e perder a vaga para a finalíssima, nisto não viram a falta de Alex Pinho em Renato Gaúcho dentro da área, pênalti para o Flamengo. Júnior Baiano cobra com perfeição para diminuir o placar para o rubro-negro aos 39 do segundo tempo, faltava pouco para o jogo terminar e o Flamengo ainda precisava de dois gols.

Os vascaínos nem se importaram, cinco minutos depois, mais uma jogada pelo lado esquerdo flamenguista, vindo com Maricá, que cruza para Edmundo, o animal, em uma bela jinga e em um corte só limpa Leandro Silva e Júnior Baiano, depois disto ele chuta forte de canhota, rasteiro e cruzado para retomar a vantagem de dois gols para o Vasco da Gama, era o terceiro de Edmundo, o terceiro do vascão, um golaço de Edmundo! Um gol histórico, pois Edmundo marcava o 29º gol dele naquela edição do Brasileirão, era um recorde, nunca antes alguém tinha feito 29 gols em uma edição de Campeonato Brasileiro; Edmundo havia passado o recorde que era de Reinaldo, do Atlético Mineiro, que no Brasileirão de 1977 havia feito 28 gols.

Detalhe: pouco antes do terceiro gol do Vasco, a televisão havia mostrado que o Flamengo havia chutado no gol exatas trinta vezes, enquanto o Vasco tinha arrematado apenas cinco vezes, mostrando o preciosismo do Vasco no jogo.

Paulo César de Oliveira deu dois minutos de acréscimo, e o Flamengo seguiu acreditando. Nesta brincadeira, mais um contra-ataque para o Vasco, mais uma vez puxado por Maricá, que havia entrado no segundo tempo. O lateral-direito arranca com a bola, passando por todos, invade a área flamenguista e antes que Juan pudesse tentar cortar, ele chuta forte, cruzado e rasteiro, no canto de Clemer. Era o último lance do jogo. Era o gol que selava a goleada por 4×1 sobre o grande rival rubro-negro e classificava, com autoridade, o cruzmaltino para a final do Campeonato Brasileiro de 1997.

PÓS-JOGO

A sexta e última rodada da segunda fase foi apenas para cumprir tabela em ambos os grupos, afinal o Vasco da Gama já estava classificado no grupo A e o Palmeiras já estava matematicamente classificado no grupo B. Após dois empates sem gols na final, o Vasco se sagrou campeão brasileiro por ter a melhor campanha. Dentre tantos clássicos memoráveis entre Flamengo e Vasco, este é um que os cruzmaltinos com certeza não esquecem, pois conseguiram a classificação com uma goleada sobre o maior rival, além de, depois, terem conseguido o terceiro título de campeão brasileiro, algumas semanas depois do jogo relatado aqui.

Edmundo erguendo a taça de campeão brasileiro do Vasco em 1997.

Edmundo erguendo a taça de campeão brasileiro do Vasco em 1997.

E esta foi a quarta edição do Jogos “Inenarráveis” aqui no blog do Goleiro de Aluguel! Espero que vocês tenham gostado da abordagem deste histórico clássico entre Flamengo e Vasco da Gama, aonde Edmundo só faltou fazer chover no dia, metendo três gols. Claro, também de um sólido vascão que soube trabalhar com o “desespero” do Flamengo e abusou bonito de mortais contra-ataques que construíram e foram primordiais nesta goleada por 4×1, além da consequente classificação para a final daquele Brasileirão. Semana que vem, o quadro volta abordando mais um jogo lendário!

JOGO COMPLETO: