É a Raça e o Coração

Talvez seu time do coração já teve elencos e épocas assim, possuía no papel poucos jogadores bons, mas que dentro do campo era muita raça e coração, chegando longe em grandes competições, sendo até campeão em algumas delas. Este era o Grêmio de 2007, raçudo, persistente, campeão gaúcho e chegou na final da Libertadores, aos trancos e barrancos, mas chegou.

Os “bons” jogadores titulares gremista naquela altura: na defesa o zagueiro William e Lúcio na lateral-esquerda, no meio estavam os melhores, com Tcheco e Diego Souza, encerrando a lista de jogadores com classe no papel e na prática aí. O restante eram “grossos”, mas que sabiam o que fazer dentro de campo, exemplos como Patrício, Sandro Goiano e Tuta são os maiores e podemos dizer que Gavilán e o ainda jovem Carlos Eduardo também seguiam a linha.

CAMINHO DAS DUAS EQUIPES ATÉ O JOGO

Imagem do primeiro jogo entre as duas equipes na chave: Sorondo abre o placar para o Defensor contra o Grêmio.

Imagem do primeiro jogo entre as duas equipes na chave: Sorondo abre o placar para o Defensor contra o Grêmio.

GRÊMIO: após rebaixamento em 2004, voltou à elite do futebol brasileiro de maneira histórica em 2005, no jogo conhecido como “A Batalha dos Aflitos” (aonde brilhou a estrela de Galatto). Os gaúchos brigaram pela primeira posição no Brasileirão de 2006, mas acabaram em terceiro, classificando para Libertadores. O Grêmio caiu no grupo C do torneio, junto com o Cúcuta e o Tolima (equipes colombianas) e o Cerro Porteño do Paraguai, terminou em primeiro lugar na chave após três vitórias (todas por 1×0, sendo duas vitórias sobre o Cerro Porteño e uma em casa contra o Tolima), um empate (em casa contra o Cúcuta) e duas derrotas (1×0 para o Tolima e 3×1 para o Cúcuta, ambas fora de casa). No mata-mata enfrentaria o São Paulo nas oitavas-de-final, a primeira partida foi no Morumbi e os paulistas venceram por 1×0 com gol de Miranda, na volta, no antigo estádio Olímpico, o Grêmio venceu por 2×0 com gols de Tcheco e Diego Souza e avançou para às quartas-de-final, contra o Defensor, do Uruguai. Na primeira partida, em Montevidéu, vitória uruguaia por 2×0, mas ainda tínhamos a volta no Rio Grande do Sul.

DEFENSOR: tradicional equipe uruguaia, caiu no grupo H, junto com o Santos de Fábio Costa, o Gimnasia y Esgrima da Argentina e o Deportivo Pasto da Colômbia, passou em segundo lugar no grupo após três vitórias (duas vitórias sobre o Deportivo Pasto, dentro de casa por 3×0 e fora de casa por 2×1, e uma vitória por 3×0 em casa sobre o Gimnasia y Esgrima) e três derrotas (duas para o Santos, uma por 1×0 fora de casa e outra por 2×0 dentro dos próprios domínios, e outra derrota por 3×0 para o Gimnasia y Esgrima). Os uruguaios terminaram com a mesma campanha que o Gimnasia y Esgrima da Argentina, mas passaram de fase por ter um saldo de gols melhor. Enfrentando o Flamengo nas oitavas-de-final, venceu por 3×0 a ida no Centenario e a derrota por 2×0 no Maracanã não foi suficiente para tirar a vaga do Defensor nas quartas-de-final, aonde enfretaram o Grêmio. No primeiro jogo, uma vitória por 2×0 e agora poderiam até perder por um gol de diferença para conseguirem a vaga às semifinais.

O JOGO

Autoriza o árbitro paraguaio Carlos Amarilla, a bola está rolando no Olímpico, valendo uma vaga para as semifinais da Libertadores da América de 2007! O Grêmio parte para cima, mas a primeira boa chance é do Defensor, que tem escanteio. Cruzamento na área, Saja sai do gol e afasta o perigo, Grêmio vem no contra-ataque, Lúcio pelo meio passa na frente para Carlos Eduardo, em posição para cruzar para Tuta, a zaga afasta, no rebote sobra para Sandro Goiano mandar uma bomba de primeira, de loooonge… Martín Silva defendeu com dificuldades.

Sandro Goiano dividindo com Diego de Souza.

Sandro Goiano dividindo com Diego de Souza.

Os gaúchos vem novamente com Lúcio, que manda o chuveirinho na área para Tuta, a zaga corta mal, mas Martín Silva sai bem do gol e afasta. Logo depois, escanteio para o tricolor, Lúcio na bola, cruzamento na área meio fechado, ninguém sobe, a bola passa, cai para Tuta desviar de cabeça, mas a bola vai pra fora.

Só dá Grêmio, o jovem Carlos Eduardo procurando espaço no meio, se movimenta e toca em profundidade para Lúcio, que cruza na área na cabeça de Tuta, que obriga Martín Silva a fazer uma bela defesa, Amoroso não aproveita o rebote e a zaga do Defensor corta para escanteio.

São 22 minutos do primeiro tempo, o Grêmio tem uma falta de média distância para cobrar, o capitão gremista e camisa 10, Tcheco, vai para a cobrança, ele corre e chuta, fura a barreira e a bola vai no cantinho, a bola quica na frente do goleiro uruguaio que ainda desvia, mas não consegue evitar o primeiro gol. O Grêmio marcava o sétimo gol naquela Libertadores, sendo que Tcheco se tornava o primeiro jogador a fazer dois gols com a camisa gremista no torneio.

2017_10_partidas_ganha_camisa_topper_250

Tcheco abre o placar e comemora o gol.

Tcheco abre o placar e comemora o gol.

Apesar da vantagem, o Defensor não estava com folga alguma após ter levado o primeiro, e marcar mais um gol poderia dar uma folga, afinal, caso o Defensor fizesse um gol, o Grêmio teria de ganhar por 4×1 para se classificar, por conta da regra do gol qualificado.

O primeiro tempo está terminando, o Grêmio tem uma falta na intermediária, posição boa para cruzamento na área. Tcheco na bola, ele cruza, mas a zaga afasta, só que o rebote é gremista, a bola volta com Patrício, que passa para Sandro Goiano enfiar para o zagueiro Teco nas costas da defesa do Defensor, ele chuta e marca o gol! Mais uma vez, o goleiro Martín Silva chega a tocar na bola. Teco, sem nem ter algum cacuete de atacante, marca aquele que talvez fosse o gol mais importante da carreira dele, devolvendo a diferença sofrida na primeira partida no Uruguai.

Teco comemora com o parceiro de zaga, William, o gol marcado. O Grêmio faz 2x0 e devolve a diferença sofrida no primeiro jogo.

Teco comemora com o parceiro de zaga, William, o gol marcado. O Grêmio faz 2×0 e devolve a diferença sofrida no primeiro jogo.

Começa o segundo tempo com o jogo bastante truncado, com as equipes querendo ir atrás do resultado, mas sem correr riscos, afinal este resultado leva o jogo para os pênaltis e tomar um gol não era bom para nenhuma equipe nesta altura. Quem chega é o Grêmio, ligação direta do meio para o ataque, a bola cai no pé de Tuta que arremata por cima. Em seguida, em um lance oriundo de lateral, há um bate-rebate dentro da área do Defensor e a bola toca, sem intenção, no braço do zagueiro uruguaio, jogadores e torcida pedem pênalti, mas o jogo, corretamente, segue.

Apesar de tudo, apenas o Grêmio vem buscando o jogo e o gol, a disputa por pênaltis realmente eram uma boa para o Defensor. Os uruguaios catimbam e chegam forte na marcação, Sandro Goiano sofre uma falta dura antes do meio-de-campo, mas já se levanta e lança a bola para frente, um belo passe para Tcheco que escora para Patrício arriscar de longe, a bola passa ao lado do gol de Martín Silva, com muito perigo.

O Grêmio abusa das ligações diretas para não se comprometer. Lançamento lá na frente para Amoroso, ele domina e tem espaço para trabalhar a jogada, passa para o jovem Carlos Eduardo, que leva a bola para a grande área e o zagueiro uruguaio Cáceres aplica um carrinho duro nas canelas da promessa para tirar a bola. Pênalti claro reclamado por jogadores e torcida gremistas, que só Carlos Amarilla não viu.

Em seguida, mais uma boa jogada do Grêmio e uma bela bola para Carlos Eduardo entrar livre na área do Defensor, ele chuta forte, mas Martín Silva faz uma grande defesa e salva o time uruguaio de sofrer o terceiro gol.

Lateral-direito do Grêmio, Patrício, sofrendo a marcação do jogador do Defensor.

Lateral-direito do Grêmio, Patrício, sofrendo a marcação do jogador do Defensor.

Finalmente o Defensor cria uma chance, vem pelo meio com Pereyra, que ajeita para o pé esquerdo e chuta de fora da área. Ele carimba o poste de Saja, a bola volta ao chão, no rebote, um cabeceio fraco fácil para Saja defender. A trave salva o Grêmio de sofrer um gol que poderia facilmente desclassificar o time gaúcho. Este foi o único chute do time uruguaio na partida e quase custou caro aos gremistas.

O Defensor está com a bola com Dias, ele recua ao receber a marcação de Gavilán, ao soltar a bola, ele acerta uma cotovelada no volante paraguaio do Grêmio e é expulso (ele já tinha amarelo). Logo em seguida, Gavilán, revoltado, se levanta para tirar satisfações e Dias, também inconformado e quente com a expulsão em um jogo decisivo dá um soco no rosto do paraguaio.

Passado a expulsão e a confusão, falta cobrada e a bola chega em Carlos Eduardo, posicionado pelo técnico Mano Menezes no fraco lado esquerdo do time uruguaio, que recebe, vai até a linha-de-fundo e cruza na área, a zaga não corta e a bola chega em Ramón (que havia recém-entrado no lugar de Tcheco), ele arremata de primeira e obriga Martín Silva a fazer outra grande defesa.

Entramos nos acréscimos, Amoroso vai afastar a bola, mas o faz com muita violência e acerta com tudo o rosto de Diego de Souza. Agora é a vez do Grêmio ter um jogador expulso. Por esta entrada, Amoroso levou um vermelho direto. Pouco tempo depois, Carlos Amarilla encerra o jogo e tudo será definido nos pênaltis.

William não deu espaços para os uruguaios no jogo. Sem nenhuma equipe a marcar no segundo tempo, iríamos para a decisão por pênaltis.

William não deu espaços para os uruguaios no jogo. Sem nenhuma equipe a marcar no segundo tempo, iríamos para a decisão por pênaltis.

DISPUTA POR PÊNALTIS

O Defensor se encarrega de iniciar a série com Fadeuille batendo a primeira cobrança. Ele toma distância, está autorizado pelo árbitro paraguaio para chutar, ele corre e mete uma bomba no poste! A bola vai no travessão e a torcida gremista vem abaixo com o erro do meio-campista do Defensor. Foi uma bomba no meio para tirar qualquer chance de defesa do Saja, mas acertou a trave, sacudiu tudo e não entrou. Patrício pode pôr o Grêmio em vantagem!

Patrício está preparado, Martín Silva está acocorado no meio do gol, ele bate mal, Martín Silva pula na bola, toca nela… mas a bola entra! É um sinal que a sorte estava com o Grêmio, assim como todo o tipo de sofrimento.

Segundo pênalti para o time uruguaio, o atacante canhoteiro Peinado vai para a cobrança, a torcida o vaia muito. Peinado toma muita distância, quase sai da área para cobrar o pênalti. O árbitro autoriza a cobrança, ele corre, mete um chute de três dedos muito forte, a bola sobe e vai longe. Peinado chutou por cima, mandou a bola de volta para o Uruguai. Duas cobranças e o Defensor não marca.

O lateral-esquerdo Lúcio vai para a segunda cobrança gremista. Ele corre para a bola e bate de pé esquerdo bem no cantinho e amplia a vantagem tricolor. O Grêmio está com uma bela vantagem e muito próximo da vaga.

Lúcio amplia a vantagem tricolor na decisão por pênaltis.

Lúcio amplia a vantagem tricolor na decisão por pênaltis.

Mais um canhoteiro na cobrança, Diego de Souza para o Defensor. Ele parece nervoso. Ele mete um bicudo rasteiro no cantinho esquerdo de Saja, sem chances. Apesar do nervosismo, o meia uruguaio bateu bem.

Atacante, cria e aposta de Mano Menezes, o jovem Douglas se encarrega da terceira cobrança gremista. Douglas havia entrado no lugar de Gavilán no segundo tempo. Ele toma distância, o árbitro o autoriza. Douglas corre e cobra e joga no ângulo direito de Martín Silva. A melhor de todas as cobranças. Sem chances para o goleiro uruguaio. Douglas bate forte no peito na hora de comemorar, grita e levanta os braços para a torcida. Se o Defensor errar o próximo chute, o Grêmio está classificado.

Pereyra cobra para o Defensor, chuta forte e no meio do gol. Saja vai para o lado e não defende. Segundo gol do Defensor na cobrança por pênaltis. Se o Grêmio fizer, ganha a disputa e está classificado.

O jovem Ramón se encarrega da cobrança decisiva. Ramón era outra aposta do técnico Mano Menezes que vinha rendendo muito, ele, conforme escrito anteriormente, havia entrado no lugar de Tcheco no segundo tempo. Ele pega a bola, pode ser o gol da vaga, está autorizado pelo Amarilla, ele cobra no ângulo esquerdo de Martín Silva… goooooooool! O jovem bate muito bem e classifica o Grêmio para as semifinais da Libertadores de 2007! É festa, é avalanche no Olímpico Monumental. O Grêmio voltava a uma semifinal de Libertadores cinco anos depois.

Ramón converteu a cobrança e colocou o Grêmio nas semifinais da Libertadores de 2007. Sai para comemorar, Ramón!

Ramón converteu a cobrança e colocou o Grêmio nas semifinais da Libertadores de 2007. Sai para comemorar, Ramón!

PÓS-JOGO

O Defensor voltou para casa. Já o Grêmio continuou na Libertadores, passou pelo Santos nas semifinais, ao vencer a ida em casa por 2×0 (o Santos estava invicto até então) e a derrota por 3×1 na Vila Belmiro no segundo jogo não foi suficiente para eliminar os gremistas, visto que o golaço fora de casa marcado por Diego Souza classificou o Grêmio para a quarta final de Libertadores da história do clube. Na final, um certo vexame, o Grêmio não foi páreo para o Boca Juniors, que tinha um timaço com jogadores como Clemente Rodríguez, Banéga, Ledesma, Riquelme, Palacios, Palermo, Battaglia, Dátolo e outros grandes jogadores que fizeram jus à grande década vivida pelo Boca Juniors há pouco tempo atrás. O Boca venceu a ida na Bombonera por 3×0 e a volta no Olímpico por 2×0 para ser campeão da América do Sul pela sexta vez. Apesar do vice, os gremistas lembram com muito carinho esta campanha do time em 2007, que está marcada na história do torcedor e agora também em um jogo aqui na coluna Jogos “Inenarráveis”.

E esta foi a décima-terceira edição do Jogos “Inenarráveis” aqui no blog do Goleiro de Aluguel! Até a próxima.

GOLS E DISPUTA POR PÊNALTIS NARRADO NA MARCANTE VOZ DE PEDRO ERNESTO DENARDIN, DA RÁDIO GAÚCHA:

GOL DE TCHECO (PRIMEIRO GOL GREMISTA):

GOL DE TECO (SEGUNDO GOL GREMISTA):

DISPUTA POR PÊNALTIS:

MELHORES MOMENTOS DO JOGO (SEM OS PÊNALTIS):