fbpx

O dia que Liverpool conheceu Andrey Arshavin

Talvez você não saiba quem seja Arshavin, meio-campista russo que é ídolo no país de origem, mas nunca chegou a ser tudo aquilo que se esperava dele. Arshavin surgiu no Zenit em 2000, ganhou quase tudo o que pôde por lá, fez uma grande Eurocopa em 2008, sendo o principal jogador da seleção russa e levando a equipe a uma surpreendente semifinal, até serem eliminados para os espanhóis, passando por grandes seleções, como Suécia e Holanda.

Após a Euro, Arshavin ficou pouco mais de meio ano no Zenit, sendo cogitado por gigantes europeus. Em 2 de fevereiro de 2009, saiu do clube formador e rumou ao Arsenal como o jogador mais caro da história dos gunners, que desembolsou quase £18 milhões para trazer o meia russo ao time. Arshavin recebeu a camisa 23, a mesma que era do ídolo dos gunners Sol Campbell. Arshavin começou bem, fez boas partidas, concedeu várias assistências e já tinha anotado dois gols com a camisa do Arsenal nos jogos que havia feito. Entretanto, o Arsenal com Arshavin, ainda não havia enfrentado uma equipe que estivesse lutando na parte de cima da tabela, apenas equipes que estavam do meio para baixo. Eis que chega a 33ª rodada da Premier League 2008/2009 e Arshavin terá uma árdua tarefa pela frente: o Liverpool no Anfield.

CAMINHO DAS DUAS EQUIPES ATÉ O JOGO:

809595_w2
Apesar de estar invicto há mais de um turno inteiro, o Arsenal apenas lutava por uma vaga direta à Champions League da temporada seguinte, afinal havia deixado alguns pontos escaparem com empates bobos contra adversários tecnicamente mais fracos e o título era um sonho muito distante. O Arsenal chegava à 33ª rodada em quarto lugar, com 61 pontos, posição esta que dava uma vaga para os playoffs da Champions League, estando seis pontos atrás do Chelsea (terceiro colocado, a primeira equipe com classificação direta a fase de grupos da Champions League), treze pontos atrás do líder, Manchester United, e oito pontos à frente do Aston Villa, quinto colocado e primeira equipe fora da zona de classificação à Champions, mas na zona de classificação da Europa League. Já o Liverpool estava em segundo lugar com 70 pontos, quatro atrás do líder Manchester United e uma vitória era essencial para manter os reds na briga pelo título contra um dos seus maiores rivais.

ESCALAÇÕES:

LIVERPOOL: o time da casa vem armado por Rafa Benítez em um 4-2-3-1, com Pepe Reina no gol, Arbeloa na lateral-direita e o brasileiro Fábio Aurélio na lateral-esquerda, a dupla de zaga fica por conta de Carragher e Agger. Os volantes são Xabi Alonso e Mascherano. O holandês Dirk Kuyt é o meia central, os alas são Benayoun e Riera. No ataque, el niño de oro, Fernando Torres. No banco, o Liverpool tem o goleiro brasileiro Diego Cavalieri, Dossena, Babel, Lucas Leiva, Ngog, El Zhar e Skrtel.

ARSENAL: já o time de Arsène Wenger vem armado no tradicional 4-4-2 com o polonês Fabianski no gol, Sagna na lateral-direita e Gibbs na esquerda, a dupla de zaga é composta por Touré e Silvestre. Arshavin é ala direito, Song, Denilson e Nasri completam a linha de meio-campo. No ataque temos Fàbregas e Bendtner. Os demais relacionados no banco de reservas dos gunners são: o goleiro Mannone, Diaby, Eduardo, Vela, Walcott, Ramsey e Eboué.

O JOGO:

Mais de 44.000 pessoas estão presentes em Anfield para acompanhar o jogão de logo mais! Apita o árbitro Howard Webb, rola a bola em Liverpool para a partida entre Liverpool e Arsenal.

Muitas emoções e muito trabalho virão para os técnicos Rafa Benítez (do Liverpool, à esquerda) e Arsène Wenger (do Arsenal, à direita)

Muitas emoções e muito trabalho virão para os técnicos Rafa Benítez (do Liverpool, à esquerda) e Arsène Wenger (do Arsenal, à direita)

A primeira chance do jogo vem logo aos dois minutos, com Carragher lançando a bola para Fernando Torres, Sagna tenta cortar, mas não consegue, a bola cai nos pés do espanhol, que domina, avança, aplica uma bela meia-lua em Touré que deixa o marfinense no chão e procurando Torres até hoje, chega na entrada da área, mas finaliza mal, o chute rasteiro e colocado saiu muito fraco, foi quase um recuo para o goleiro Fabianski. Três minutos depois, é o Liverpool quem chega novamente, com Torres tentando a finalização, mas com a zaga do Arsenal segurando a pressão, a bola acaba sobrando para Riera que chuta para uma boa defesa de Fabianski.

São nove minutos de jogo e é mais uma vez o Liverpool quem chega, Kuyt vem pelo meio, conduzindo a bola, enfia a bola para Benayoun, mas Fabianski sai do gol e intervém para o insucesso do jogador dos reds; o rebote ainda é do Liverpool, Arbeloa corre para também tentar driblar o goleiro dos gunners, mas, mais uma vez, Fabianski intervém, a bola sobra de novo para um jogador do Liverpool, está com Kuyt, mas nisto já havia dado tempo para a defesa do Arsenal voltar, Kuyt correu para a linha-de-fundo para tentar o cruzamento, o fez, só que bola desviou em Song e voltou em Kuyt e foi para tiro-de-meta. Que susto para os gunners!

O Arsenal está parado na partida, o Liverpool quem procura mais o jogo. A bola está com os reds, Torres está procurando a jogada, mas a defesa do Arsenal está bem centrada, Torres toca atrás para o conterrâneo Xabi Alonso, que devolve ao companheiro por elevação, Torres chuta da entrada da área para uma grande defesa de Fabianski, que se estica todo para mandar a bola pra escanteio. No escanteio nada acontece e o jogo segue.

São 28 minutos do primeiro tempo e finalmente o Arsenal chega, vem com Gibbs pela esquerda, buscando o cruzamento, é o que ele faz, cruza mal e Pepe Reina vem para tirar de soco, mas Agger se antecipa ao goleiro do próprio time para cortar mal, Fàbregas se prepara para um chute de primeira para o gol, que sai errado, acaba quase acertando um passe para Bendtner, que se estica, mas não alcança para completar. Se alcançasse, certamente seria gol dos gunners, mas tudo não passou de um grande susto aos reds. No minuto seguinte, ligação direta do Liverpool para ele, Fernando Torres, que recebe e domina a bola, limpa mais uma vez Touré, o deixando no chão outra vez no jogo, Torres chuta de longe para grande defesa de Fabianski, Benayoun tenta completar no rebote, mas Silvestre chega antes e afasta o perigo. Pouco depois, o Liverpool tem escanteio, bola na área, Carragher se antecipa à defesa e cabeceia cruzado, Kuyt corre e tenta de carrinho completar, mas Nasri estava bem posicionado para cortar e mandar a bola para longe.

21-fabianski

Fabianski foi o grande nome do jogo no primeiro tempo.

Vem o Arsenal, Nasri tem a bola, é fominha e acaba indo parar no escanteio com a pelota, recebendo a marcação de Riera, apoiado por Fábio Aurélio. Riera rouba a bola, passa para Fábio Aurélio, que passa para um desatento Mascherano, que não domina direito e perde a bola na fogueira ao receber a marcação de Fàbregas, a bola sobra para Nasri, que avança dentro da área e, ao chegar a marcação de Agger, ele passa inteligentemente para Fàbregas, que vem de trás da linha da defesa para receber, Fàbregas passa a bola no meio para Arshavin, que chuta de canhota e de bate-e-pronto para um gol basicamente livre, a bola toca no travessão e entra! O predestinado da noite marca o primeiro gol do jogo aos 35 do primeiro tempo e o Arsenal abre o placar! Arshavin sai para comemorar com a comemoração característica, mandando a torcida ficar quieta.

Dois minutos depois vem o Liverpool buscando o empate, a jogada sai pelo meio com Mascherano, que enfia uma bola para Benayoun (Mascherano contou com a ajuda de Gibbs, que furou na hora de cortar e a bola). Benayoun avança, corta a marcação de Silvestre, invade a área e chuta de canhota para uma boa defesa de Fabianski, o goleiro dos gunners, que foi o melhor jogador da partida no primeiro tempo, segurando o resultado para o Arsenal.

Ainda estamos no primeiro tempo, o Liverpool tenta, consegue alguns escanteios, mas não conclui corretamente, até chegou com perigo nos acréscimos da primeira etapa, após boa jogada de Riera, que cruzou rasteiro na área para ninguém completar; a bola sobrou na entrada da área para Arbeloa, que dominou e chutou nas mãos de Fabianski. Termina o primeiro tempo, apesar do Liverpool ter criado mais, é o Arsenal quem vence o jogo com um gol de Arshavin.

Começa o segundo tempo! A primeira chance da etapa complementar é do Liverpool, logo aos três minutos, Benayoun tenta o lançamento, mas Sagna corta muito mal e a bola cai para Kuyt, que está dentro da área e avança para tentar o lançamento, ele o faz, Gibbs corta, mas a bola volta para Kuyt, que cruza na cabeça de Fernando Torres, el niño cabeceia bem, no canto de Fabianski que não chega, Torres empata o jogo para o time da casa logo no início do segundo tempo! Está tudo igual outra vez!

Benayoun vira o jogo para o Liverpool!

Benayoun vira o jogo para o Liverpool!

São dez minutos da segunda etapa, o Arsenal vem, mas o impedimento é marcado. Reina vai cobrar a infração, chutão para frente, Torres desvia e a bola parece fácil para os gunners, mas Benayoun não desiste, Silvestre acaba recuando mal para Fabianski, que tenta passar de qualquer jeito para Gibbs a fim de afastar o perigo, Gibbs tenta cortar, mas corta mal, no pé de Kuyt, que vai para cima, limpa a marcação do zagueiro e cruza para Benayoun, que vem para o cabeceio, Sagna tenta cortar, mas não consegue êxito no corte com o pé e ainda acaba acertando Benayoun. A bola ainda rola e vai entrando na direção do gol, Fabianski acaba caindo para dentro do gol no ocorrido, a bola vai entrando… Fabianski espalma para frente. Será que foi gol? Qual a decisão do juiz? Howard Webb aponta para o centro do campo, é gol do Liverpool! E o tira-teima mostra que ele acertou, pois a bola ultrapassou toda a linha e Fabianski jogou para frente com a bola já dentro do gol. Em dez minutos, o Liverpool vira o jogo no Anfield. Benayoun mal comemora, está se recuperando da dor por conta do chute de Sagna, os companheiros de Benayoun vão para ver como ele está… e para comemorar o gol de cabeça marcado por ele também! Fabianski se revolta e mete um tapa forte na trave.

São quinze minutos da segunda etapa, o Liverpool quem segue tentando. Arbeloa vem pela direita e lança a bola no meio para Fernando Torres, que ajeita e chuta nas mãos de Fabianski. No minuto seguinte, mais uma vez o Liverpool chega ao ataque adversário, Mascherano toca para Benayoun que já manda para Riera isolado pelo lado esquerdo, Riera avança, invade a área e chuta, mas Touré chega de carrinho para desviar a bola para escanteio. No tiro de canto, nada acontece e o Arsenal retoma a bola.

São 22 minutos do segundo tempo. Irregularidade apontada no lance de ataque no Liverpool, a bola é do Arsenal, o goleiro Fabianski se prepara para bater e aplica um chutão para frente. Arshavin pula para desviar de cabeça, não consegue acertar o passe para Bendtner, Carragher faz o fácil se tornar difícil, passa mal a bola de cabeça para Arbeloa, Arshavin corre, se antecipa ao espanhol e retoma a bola para os gunners. Arshavin avança com a bola, arrisca um chute da entrada da área… Gooooooool! Reina voa, mas não alcança, a bola foi no cantinho, na junção da trave com as redes. Que belo chute de Arshavin, que fez o segundo dele e do Arsenal na partida e pôs fogo no jogo mais uma vez! Arshavin faz a comemoração característica, de novo mandar a torcida calar a boca.

"Vai uma virada e três gols aí?"

“Vai mais uma virada e três gols aí?”

Dois minutos depois de empatar, o Arsenal vem novamente, a bola está com Samir Nasri, arquitetando a jogada pelo meio, Nasri passa a bola para o predestinado do jogo, Arshavin, que tenta avançar, mas sofre forte marcação de Carragher e de Arbeloa, isto faz com que o russo devolva a bola para Nasri na linha-de-fundo, o francês cruza, nenhum companheiro completa, a bola vai nos pés de Fábio Aurélio, que não domina e acaba cortando mal, basicamente ajeitou para o jogador do Arsenal perto da marca do pênalti completar. Adivinhe quem era este jogador? Sim, Andrey Arshavin, o russo recebeu um presentaço de Fábio Aurélio, dominou e chutou para o gol, Pepe Reina não conseguiu defender… “it’s a hat-trick! From Russia, with love”… Arshavin fazia o terceiro gol dele no jogo, o terceiro do Arsenal, saiu comemorando fazendo o número três com a mão direita, mal acreditando no hat-trick que protagonizava.

Depois de sofrer a virada, o Arsenal vira o jogo em cerca de três minutos e está na frente do placar, calando o Anfield. 3×2.

O Liverpool está precisando da vitória para seguir firme na luta pelo título, vem atrás do gol. Carragher conduz a bola, atravessa o meio-campo, passa para Fábio Aurélio que já toca para Riera, o espanhol avança um pouco e lança a bola para o conterrâneo Fernando Torres, na entrada da área. Torres domina, faz o breque para limpar a marcação de Silvestre, corta para a direita e chuta para o gol da entrada da área, Fabianski pula na bola, toca nela, mas o toque não é suficiente para desviar a bola fora. Que jogo! Aos 28 do segundo tempo, quatro minutos depois de sofrer a virada, o Liverpool empata o jogo novamente e ainda sonha com a vitória! Fernando Torres faz o segundo dele no jogo, o terceiro dos reds e o placar agora está 3×3.

Um minuto depois, o Arsenal vem mais uma vez, Song arquiteta a joga, acerta um lindo passe para Bendtner, que conclui para o gol… mas não valeu, o atacante dinamarquês dos gunners estava em posição irregular e o bandeirinha assinalou o impedimento. Logo em seguida, o dinamarquês sai para a entrada de outro atacante, Theo Walcott.

São 36 do segundo tempo, o Liverpool tem escanteio. Xabi Alonso na cobrança, a bola vai na cabeça de Fernando Torres que cabeceia para o goooool… não, foi quase, mas com certeza muitos gritaram “gol” no lance, a bola estava entrando, mas Gibbs, muito bem posicionado, tirou a pelota de cabeça basicamente em cima da linha. Segunda vez no jogo em que o Liverpool quase marca em jogada advinda de escanteio, agora foi Gibbs quem salvou. Alguns jogadores até pediram o gol “no grito”, mas o árbitro, corretamente, não validou.

Já se imaginou fazendo quatro gols no Liverpool jogando no Anfield?

Já se imaginou fazendo quatro gols no Liverpool jogando no Anfield?

Estamos quase em 45 minutos do segundo tempo, o placar segue empatado em 3×3. Tem escanteio o Liverpool, todo mundo sobe para o ataque, será que finalmente sai o gol? Fábio Aurélio cruza no miolo da área, Fabianski sai no meio do tumulto e tira a bola de soco, Walcott corre em busca da bola para puxar o contra-ataque, ele consegue e avança, atravessa o campo com a bola sob marcação de Agger e com Alonso vindo atrás dele. Walcott ainda segura, avista um companheiro avançando livre do outro lado do campo e lança a bola para ele sair na cara do gol. Adivinhe quem era o companheiro? Exatamente, Andrey Arshavin, o russo recebe a bola avança, Pepe Reina se adianta e sai do gol, Arshavin prossegue e na entrada da área mete uma bomba… “fooooour!” Arshavin fuzila as redes do Liverpool e faz o quarto gol dele no jogo, o quarto dos gunners, sai comemorando fazendo o número quatro com a mão direita, nem acreditando que havia feito quatro gols contra o Liverpool no Anfield, em seguida, como tradicionalmente fazia, mandou a torcida ficar quieta. A torcida do Liverpool estava pasma vendo o show de Arshavin, Rafa Benítez se levantou inconformado do banco.

O Liverpool ainda acredita, pelo menos um empate não botaria tudo a perder para os reds. Agora é na emoção e na ligação direta da defesa com o ataque, Torres pula para desviar a bola, deu certo, Benayoun domina, passa a bola para El Zhar, que havia entrado durante o jogo no lugar de Riera, o franco-marroquino mete uma bomba ao receber a bola, obrigando Fabianski a fazer uma grande defesa, mandando a bola para escanteio.

São 48 do segundo tempo, o juiz havia dado sete minutos de acréscimo. O Liverpool tem mais quatro minutos para tentar o empate. Fernando Torres tenta na jogada individual, invade a área, mas perde a bola para o fechado time do Arsenal. Chutão para frente de Sagna. Agger divide com Walcott e ganha de cabeça, passando a bola para Alonso, que faz um longo lançamento para Mascherano, que passa de cabeça para Babel tentar completar, ele não consegue, mas a defesa dos gunners não consegue cortar e a bola segue viva na área do Arsenal, Benayoun se antecipa a todos e completa para o fundo das redes dos gunners, empatando o jogo mais uma vez! A torcida comemora muito o gol, mas os jogadores mal se cumprimentam, afinal o suado empate não é bom para o Liverpool seguir lutando pelo título.

Antes do jogo terminar, Fàbregas recebe um passe de Walcott e sai isolado para marcar, ele faz o gol, mas, assim como Bendtner, ele estava impedido e o gol não valeu. Talvez a noite fosse só para Arshavin marcar para o Arsenal…

Fim de papo no Anfield! Que jogo acabamos de ver, um empate em quatro gols entre duas das maiores equipes da Inglaterra. A vitória não veio para ninguém, mas os quatro gols de Andrey Arshavin neste jogo roubaram a cena e todo o jogo em si foi “inenarrável”.

Uma imagem. Seis gols só neste jogo.

Uma imagem. Seis gols só neste jogo.

CURIOSIDADES:

O jogo relatado acima aconteceu no dia 21 de abril de 2009, uma terça-feira. Uma semana antes, no dia 14 de abril de 2009, o Liverpool havia sido eliminado pelo Chelsea nas quartas-de-final da Champions League 2008/2009 após empatar em 4×4 com os blues no Stamford Bridge (foram eliminados pois perderam a ida em casa, no Anfield, por 3×1). Em sete dias, o Liverpool empatou em quatro gols com duas equipes diferentes, e nenhum dos dois empates foram bons para os reds.

Arshavin terminou aquela temporada da Premier League invicto, só viria a perder uma partida com a camisa do Arsenal no Campeonato Inglês na temporada seguinte, na quarta rodada, ao perder por 2×1 para o Manchester United.

PÓS-JOGO

Como Chelsea e Aston Villa empataram seus jogos também, a coisa não mudou muito para o Arsenal, que manteve a mesma vantagem e distância para ambas as equipes na luta por uma vaga na Champions League, já para o Liverpool o empate foi ruim, pois o Manchester United venceu o Wigan Athletic e abriu seis pontos de vantagem na liderança. Ao final do campeonato, nenhuma das duas equipes mudou de posição na tabela nem alcançaram os objetivos, o Arsenal terminou a Premier League 2008/2009 em quarto, conseguiu apenas uma vaga nos play-offs da Champions League da temporada seguinte, e o Liverpool teve de se contentar com o vice.

E esta foi a décima-quinta edição do Jogos “Inenarráveis” aqui no blog do Goleiro de Aluguel. Até a próxima!

OS GOLS DO JOGO COM NARRAÇÃO DE JOE CHAMPION: