Há 4 anos atrás escrevi um post sobre o porque era tão difícil executar uma defesa firme da BRAZUCA, bola da copa de 2014. Achei interessante atualizar o texto, fazendo uma pesquisa sobre a TELSTAR, bola da Copa da Rússia.
A cada 4 anos a FIFA faz mudanças tecnológicas na personagem principal das copas, sempre no intuito de aumentar o número de gols nas partidas de futebol. Quem lembra da JABULAAAANI?? Essa desempregou alguns colegas de profissão em na copa 2010… Depois dessa experiência, a fabricante da bola, mudou sua abordagem de desenvolvimento, buscando mais as sensações dos jogadores, para evitar surpresas igual as da Copa da África, onde goleiros e atacantes, ficaram abismados com tamanha falta de controle. Basta dizer que o número de gols de falta, era baixíssimo, inclusive em 2014. A precisão dessa bola, é fantástica e o reflexo disso está no quanto aumentaram esses gols.
Bolas_da_Copa
Mas é fato que as bolas de copa do mundo, são feitas com especificações técnicas que facilitem as finalizações de fora da área. Para se ter uma ideia, tal qual a Brazuca, a TELSTAR tende a começar a oscilar a sua trajetória a partir dos 48km/h, se não houver o movimento de rotação sobre seu próprio eixo. Isto significa, que se um jogador der uma pancada na “cara da bola”, sem tentar um efeito, a partir de 48 km/h a bola vai oscilar igual a uma bola de plástico, daquelas que se compra em parque de diversões. Em comparação com as bolas utilizadas nos anos 90, eram em média, 28% mais lentas. Era preciso saber bater para gerar força e velocidade em finalizações e cruzamentos (dados da Adidas, fabricante da bola). Por isso eu sempre desconsidero ex-goleiros, que hoje são comentaristas jogando pra torcida, fazendo comentário desqualificando ações em cruzamentos e finalizações, pois “nas suas épocas” eram assim. Esses sim poderia ser legal testa-los ao vivo não sabem o que é a bola durante o dia.
 
Fora isso, a TELSTAR possui 6 “gomos” impermeáveis, que são feitos hoje em dia de material sintético e não de couro como nos tempos da brilhantina, fazendo com que a bola esteja sempre inflada, sem aumentar de peso, independente do jogo e das condições climáticas. As bolas de couro, chegavam a pesar 40% a mais. Se por um lado ela ficava mais escorregadia, ela ficava mais lenta.
Isto significa que ela sempre irá manter a alta velocidade e reagir ao impacto na mão do goleiro. Por que isso atrapalha? Vou tentar explicar:
Para o goleiro fazer uma defesa firme, ele precisa que a bola fique em contato com as palmas das suas mãos, tempo suficiente para que ele consiga fechar os dedos, e agarrar a mesma. Aumentar esse tempo de contato com a palma das mãos, é a principal função das luvas, que possuem materiais, amortecedores e aderentes, para que os arqueiros consigam ter tempo o suficiente para executar as defesas.
 
Acontece que quando a bola está muito inflada, ela “quica” muito mais, logo, ela bate na mão do goleiro e sai, com muito mais velocidade. Por isso a necessidade de treinamento a exaustão de um movimento técnico de amortecimento que envolvem os punhos, cotovelos e ombros para efetuar o que conhecemos como PEGADA/ PUNHO.
 
Antigamente, as bolas tinham um impacto mais pesado contra os goleiros, o que facilitava essa PEGADA/ PUNHO, por isso os goleiros de décadas passadas executavam mais defesas firmes. Além disso, efeitos eram armas de grandes jogadores, conhecedores das habilidades necessárias para desferir um chute venenoso. Hoje em dia, até um “perna de pau” clássico, como eu, consegue dar um efeito em uma bola.
 
Além disso tudo, as bolas novas são testadas em alguns grupos de jogadores, mas os atletas começam a treinar com elas, apenas no período de preparação para copa. Acaba sendo pouco tempo para se acostumar e entender o “comportamento” dela.
 
Quando a bola sai do pé do atacante, o goleiro precisa calcular a velocidade da bola, identificar a oscilação da trajetória, calcular o tempo de salto, mover as duas mãos em direção a bola, esperar ela tocar na palma, firmar os punhos, flexionar os cotovelos, firmar os ombros, fechar os dedos o mais rápido possível. Isso tudo numa média de 0,7s, às vezes menos.
 
Agora acrescente a isso tudo, “É Copa do Mundo, amigo!” (como diz a minha filha de 1 ano!). Não há tempo para falhar. Na dúvida, se der pra socar, soca! Se der pra espalmar, espalma! Se der pra pegar firme, pegue! Eu evitaria inventar e faria o mais simples para garantir o título.
Por isso,antes de cornetar o goleiro do seu sofá, lembre-se, que essa rebatida pode ser a diferença entre VC cornetar ou ser cornetado no trabalho amanhã!!!
 
Escrito por Igor Costa.