fbpx

Um Gigante Milagreiro

Hoje o Na Baliza volta a falar de mais uma muralha brasileira, sim amigos hoje é a vez do gigante de 1,96m, Cássio Ramos, gaúcho de Veranópolis e, com 29 anos, Cássio atua pelo Corinthians desde 2011. Em tão pouco tempo se tornou grande ídolo do clube em sua carreira curta, porém, muito vitoriosa.

Começou no Grêmio de Porto Alegre em 2005, quando chegou aos profissionais, porém Cássio fez apenas uma partida como profissional, e logo ganhou a Europa, mais precisamente a Holanda, aonde chegou em 2007 para jogar por 5 anos no PSV. Em 2008 descontente com a reserva foi emprestado ao Sparta Rotterdam, onde fez 15 jogos na temporada pelo campeonato holandês.

Em 2011, Cássio teve a maior decisão da carreira, voltar ao Brasil, e jogar por um dos clubes mais vitoriosos dos país, que além de contar com exposição, também tem uma torcida muito exigente, além de estar há bom tempo carente de um ídolo nesta posição, pois desde o baiano Dida, o Corinthians não encontrara um ídolo debaixo das traves, e Cássio parece ter vindo realmente para preencher esta lacuna.

Em 2011, recém-chegado ao clube, Cássio amargou a reserva do prata da casa, Júlio César, tendo jogado apenas uma única partida pelo campeonato paulista diante do XV de Piracicaba naquele ano, mesmo assim, conquistou o primeiro título, o campeonato brasileiro já ao comando do Técnico Tite.

Em 2012, começara a grande mudança, após falhas do então jovem titular Júlio César na eliminação no Paulistão daquele ano para a Ponte Preta em pelo Pacaembu fez com que o técnico Tite, as vésperas da estreia no mata-mata da Libertadores, em partida do Equador, diante do Emelec, teve então de tomar uma difícil decisão, a de ceder a pressão da torcida e trocar o camisa 1 no meio do torneio mais importante da América do Sul, torneio este que ainda faltava na galeria de troféus do timão.

Foi então que, na altitude de Quito, que Cássio, em meio a uma grande pressão, fez a estreia e não foi uma decisão única de Tite, com o também jovem Danilo Fernandes “voando”, Tite deixou parte desta responsabilidade ao preparador de goleiros Mauri para tomar a decisão de quem iria para o Gol do Timão naquela decisão.

Foi então que o preparador de goleiros mediante às pressões que o time sofreria no Equador fez a escolha pelo gigante Cássio, e assim ele fez uma das grandes partidas na meta Corintiana, e segurou não só o placar de 0x0, mas a pressão dos equatorianos em 90 min.

Cássio (à direita) e Marcelo Grohe (à esquerda) bem novos treinando pelo Grêmio em 2007.

Cássio (à direita) e Marcelo Grohe (à esquerda) bem novos treinando pelo Grêmio em 2007.

Cássio mal sabia, mas a grande participação na Libertadores daquele ano ainda estava por vir, e foi em um confronto de brasileiros em um lance aos 28 minutos do segundo tempo, no qual o placar da partida mostrava um insistente 0x0, após um erro em saída de bola do lateral Alessandro, o meia Diego Souza disparou do campo de defesa vascaíno tendo a frente apenas o gol e o gigante Cássio, foram cerca de 12s na qual torcedores de Corinthians, Vasco da Gama e quem mais estava assistindo a partida não sentiram nem mesmo a respiração e, ao final deste tempo, à explosão e comemoração de uma torcida aliada à decepção de outra, fez assim o primeiro milagre do gigante acontecer, logo após este lance, o Corinthians ainda marcou o gol solitário (e também sofrido) no qual lhe deu a classificação a semifinal do torneio sul-americano.

Na semifinal, mais um confronto entre brasileiros, era o atual campeão da Libertadores, o Santos de Neymar e Ganso, contra o campeão brasileiro Corinthians, que jamais havia passado desta fase de semifinal, e Cássio, mais uma vez, operou verdadeiros milagres na partida de ida diante do Santos no alçapão da Vila Belmiro, onde o Timão venceu por 1×0 e assim, encaminhou a passagem para a final da Libertadores.

Cássio e o Corinthians seriam campeões da Libertadores 2012, porém foi no Mundial da FIFA, no Japão, que os maiores milagres do “santo gigante” prevaleceram, na grande final, por exemplo, pelo menos três milagres foram atribuídos a Cássio, uma defesa a queima roupa após uma finalização na  pequena área, um chute do nigeriano Moses na qual de mão trocada Cássio colocou a bola para escanteio e no segundo tempo outra grande defesa com pé direito após finalização de Fernando Torres cara-a-cara.

Me lembro de uma passagem de um amigo fotógrafo, que inclusive fez a cobertura do Mundial daquele ano, no qual ele, ao encontrar Cássio no aeroporto, pediu para beijar a sua mão esquerda em ato de reverencia aos “milagres” dele.

Cássio ainda seria campeão paulista e da Recopa Sulamericana em 2013.

Em 2015 após 3 anos na titularidade do gol corintiano Cássio parecia não estar atravessando uma grande fase, com o time não conquistando bons resultados e o reserva Walter em boa fase, algumas cobranças da torcida começaram a cair sobre os ombros de Cássio. Uma falha na eliminação da Libertadores de 2015 diante do Guarany do Paraguai foi o verdadeiro inferno na vida do então camisa 12 do timão, porém, mais uma vez, o técnico Tite bancou a sua permanência como titular e no brasileirão de 2015, com excelente time, Cássio foi eleito melhor goleiro daquela temporada.

Com a saída de Tite a má fase voltou a rondar o gigante, mas Cássio conhece todo seu potencial e sabe que sempre estará no coração dos corintianos, pois seus milagres jamais serão esquecidos.

Uma curiosidade sobre Cássio é justamente contra um grande rival do Corinthians, Cássio se destacou por ser um dos poucos goleiros dos considerados grandes de São Paulo que não sofreram gols do maior goleiro artilheiro do mundo, Rogério Ceni, aliás, Cássio, em 2014, pegou dois pênaltis de Rogério sendo um no Paulistão e outro no Brasileirão.

Cássio no PSV Eindhoven

Cássio no PSV Eindhoven

TÍTULOS

GRÊMIO

Campeonato Gaúcho de 2006 (como terceiro goleiro, atrás de Galatto e do titular Marcelo Grohe)

PSV EINDHOVEN

Campeonato Holandês da temporada 2007/2008

Supercopa da Holanda de 2008

CORINTHIANS

Copa Libertadores de 2012

Copa do Mundo de Clubes da FIFA de 2012

Campeonato Paulista de 2013

Recopa Sulamericana de 2013

Campeonato Brasileiro de Futebol: 2011 e 2015

SELEÇÃO BRASILEIRA

Campeonato Sul-Americano de Futebol Sub-20 de 2007

Superclássico das Américas de 2012

PRÊMIOS INDIVIDUAIS

Seleção da Copa Libertadores de 2012

Melhor jogador do Mundial de Clubes de 2012

Melhor jogador da Final da Copa do Mundo de Clubes da FIFA de 2012

7º Melhor goleiro do mundo pela IFFHS no ano de 2012

Seleção da Rodada (Troféu Armando Nogueira): Melhor Goleiro da 19ª Rodada do Campeonato Brasileiro de Futebol de 2015 (Nota 8,0)

Prêmio Craque do Brasileirão de melhor goleiro do Campeonato Brasileiro de 2015

GRANDES DEFESAS DE CÁSSIO NA LIBERTADORES 2012:

Nota: O Na Baliza de hoje seria sobre a trajetória meteórica do jovem goleiro Danilo Padilha da Chapecoense, porém todos nós sabemos o triste desfecho da fatídica viagem para a disputa da grande final da Sulamericana em Medellín. Danilo já foi homenageado na coluna de Bruno Costa, pois deixou de ser um goleiro comum para se tornar uma muralha lendária. Aqui fica a nossa homenagem e nosso respeito a este excelente atleta, ótimo pai e bom filho.

#ForçaChape