Aos nossos queridos leitores do “Na Baliza”, estamos retornando 2017 com uma nova ideia para nossos artigos. Sim! Vamos contar a história de goleiros que irão disputar campeonatos regionais por clubes tradicionais de estados brasileiros e já começamos bem: nosso primeiro escolhido é Célio Gabriel, mas antes de iniciar a nossa história, gostaria de agradecer ao Célio, pela simplicidade e humildade, ele foi o primeiro a responder a nossa solicitação e desde já desejamos ao Célio muita sorte, pois você merece.

Então vamos lá, nascido em São Paulo no dia 08/02/1986, Célio Gabriel e seus 1,95m hoje defende o tradicional Taubaté, mais conhecido como “Burro da Central”, porém Célio iniciou a sua carreira no São Paulo FC, onde ele mesmo se diz muito feliz por ter trabalhado com Haroldo Lamonier, que entre outros treinou por muito tempo o mito Rogério Ceni, mas por ironia do destino Célio, literalmente, “pulou o muro” e foi revelado pelo rival Palmeiras onde permaneceu por cinco anos, de 2000 a 2005, neste tempo que esteve na academia, Célio teve o privilégio de trabalhar com grandes profissionais da posição, como Marcos, Sérgio, Gilvan, Marcelo, Fernando, Diego Cavallieri e Deola. Pode trabalhar com preparadores de goleiros como Carlos Pracideli, Wendel, Zé Mario e o Eduardo Ramos, aliás, este último muito estimado por Célio, pois foi quem o ajudou muito neste início de carreira. Em, 2006 Célio foi para o Corinthians onde também trabalhou com grandes profissionais como Flavio Tenius, Marcos Romano e Júlio Cesar Bonfim.

Não muito diferente da maioria dos apaixonados pelas traves, Célio iniciou a carreira no futebol jogando na linha no futsal, mas a paixão pelo gol falou mais alto e como ele mesmo diz de uma forma natural: “fui para o gol e me tornei apaixonado pela posição. Amo ser goleiro!” Complementa Célio. Nós também amamos esta posição, pode acreditar!

Célio tem estilo próprio, porém também tem as inspirações, como Zetti, Taffarel, Rinat Dasayev, Marcos, Dida, outros mais recentes como Julio Cesar (ex-seleção brasileira), Jefferson, Helton (ex-Porto), Peter Cech, Mandanda, Buffon, Neuer, entre outros mais novos. Célio deixou bem claro para nós que temos uma safra de excelentes goleiros e que é possível explorar o que cada um tem de melhor, ele, por sua vez, acompanha muitos vídeos sobre goleiros, pois sempre está estudando sobre a posição! Isso é bom, pois aprender com os melhores, reforça ele.

 

010101

Durante a carreira, Célio também viveu momentos bem engraçados, como na época de Corinthians quando foi confundido por um torcedor mirim do timão com Dida, até autógrafo o garotinho pediu. Quando estava no Red Bull Brasil, Célio andava pelas dependências do Moisés Lucarelli quando foi confundido por um funcionário com goleiro Aranha (ex-Santos e hoje de volta a Macaca), Célio inclusive foi apelidado de Aranha por este funcionário. No Rio de Janeiro, Célio também foi comparado por um funcionário da FERJ, após um jogo do Bangu, ao ex-goleiro Bruno, devido a sua atuação naquela partida. Célio, sempre atencioso, ficou conversando com o rapaz enquanto todo o time do Bangu já o aguardava para ir embora.

Célio considera que hoje vive seu melhor momento na carreira, aos 30 anos, o goleiro diz que aproveita cada momento e tenta sempre se superar e buscar o melhor, assim como em 2016; ele foi eleito em alguns canais o melhor goleiro da posição, figurando entre os selecionáveis, o uruguaio Martin Silva (Vasco) e Jefferson (Botafogo), além de Cavalieri (Fluminense) e Paulo Vitor (Flamengo).

Para o futuro, Célio se concentra em fazer o melhor pelo Taubaté, time tradicional de São Paulo que vai disputar a Série A2 deste ano, equivalente a segunda divisão do estado, um campeonato difícil onde sobe dois times e caem seis para próximo ano. Célio está ciente e focado de sua missão, e espera conquistar o sucesso pelo qual vem buscando, e um dia pretende retornar a um grande clube de expressão nacional e internacional.

Bom, Célio, se depender do seu esforço e da nossa torcida, você está no caminho certo!